COMO A MEDICINA CHINESA FOI CRIADA?

COMO CONSEGUIU CHEGAR ATÉ HOJE?

A Medicina Chinesa é utilizada no oriente há milênios e é uma das mais antigas medicinas da humanidade e o a que diferenciou das outras ( Medicina Egípcia, Medicina Babilônica ) foi a presença de uma base teórica sólida e pragmática que não depende de dons sobrenaturais e foi a primeira a responsabilizar o meio ambiente e a alimentação como causadores das doenças.

Gostaria de falar um breve resumo histórico de como a Medicina evoluiu até os dias de hoje.

Vamos para o ano 4.000 AC, antes da era do bronze na China. Os sábios da época desenvolveram uma teoria para explicar a natureza, teoria do Yin-Yang.

Quanto a medicina nesta época, as curas eram feitos por xamãs através de rituais, espetos de osso e madeira e ervas, muito parecido no que é praticado hoje nos Andes e pelos Índios brasileiros. O diagnóstico era feito através de oráculos, adivinhações e utilizavam ervas alucinógenas visando através de um transe evocar espirítos ancestrais do doente para pedir uma cura.

Ao redor de 2.500 AC, o Imperador Hangdi (Imperador Amarelo), mudou radicalmente a China com grandes inovações em todas as áreas e na Medicina não foi diferente. O que ele fez foi chamar 90 sábios e através de perguntas formuladas foi moldando um conhecimento baseado nas explicações obtidas da observação da natureza, retirando todo componente ritualístico e místico, com uma visão totalmente inovadora de reconhecer fatores de risco ambientais e constitucionais como o objetivo de trazer saúde a seu povo, foi escrito um compêndio utilizado até os dias de hoje no ensino da Medicina Chinesa.

Neste momento o xamanismo ficou relegado a um segundo plano e as experiências terapêuticas eram sempre registradas . Não se aceitava mais nenhum conhecimento sem passar pela avaliação dos sábios e as experiências individuais só teriam validade se o resultado se repetisse quando aplicado por pessoas diferentes.

Mais 2.000 anos se passaram e o volume de pacientes atendidos e a experiência acumulada exigiu organizar o conhecimento e em 500 AC é estabelecida uma padronização do diagnóstico em Medicina Chinesa utilizado até hoje:

  • Ouvir: colher a histório do paciente, ouvir suas queixas e perguntar sobre seus sintomas
  • Palpar: técnica de palpação do trajetos dos meridianos da Medicina Chinesa
  • Auscultar: ouvir os sons do pulmão, do coração, da respiração, timbre da voz, os ruídos intestinais, etc
  • Exame da língua
  • Exame do pulso

Neste momento aparece o personagem médico da Medicina Chinesa, que diferente dos sábios que formulavam suas perguntas e ficavam observando por anos a natureza, o médico procurava sua explicação através de métodos padronizados de diagnáotico, neste momento deixa de existir os segredos de família e agora é gerado um conhecimento mais estruturado e disponível, pois tudo era escrito.

Mais 200 anos se passaram, e com o conhecimento adquirido, a base teórica desenvolvida no ano de 4.000 AC que ainda era utilizada, não conseguia explicar tudo e neste momento desenvolveu-se a teoria dos 5 elementos que incorpou a teoria do Yin-Yang desenvolvida anteriormente, esta teoria é utilizada até hoje no processo de diagnóstico e tratamento pela Medicina Chinesa.

Neste momento a Medicina Chinesa é aqprimorada em sua base teórica sólida volta para o diagnóstico e tratamento. Este conhecimento possibilitou estabelecer um processo de observação sistemática na prática médica.

Com a Medicina mais estruturada não precisou esperar séculos para a Medicina Chinesa se aprimorar, somente 40 anos depois, no ano 160 AC, criam-se hospitais de Medicina Chinesa e começa uma nova forma de tratar, onde o paciente vai ao médico, com este modelo maior número de pessoas puderem ser atendidas em um tempo menor e começa a valorizar o médico não só pelo conhecimento teórico mas por sua experiência clínica. Vários livros são escritos relatando as experiências pelo médicos mais famosos.

Várias publicações foram feitas com orientações e atualizações terapêuticas e a Medicina Chinesa foi evoluindo e se adaptando às necessidades como doenças infecciosas, período de guerra, período de escassez alimentar, etc.

Agora estamos no ano 618 DC, é criado o Instituto de Medicina Imperial na Chinesa que tinha como responsabilidade a formação de profissionais da saúde e conceder uma licença para atuar profissionalmente. Separou a formação em dois braços: a formação médica e a formação farmacêutica. Neste momento cai por terra de forma definitiva o modelo mestre-discípulo no ensino do ofício, para ser um médico ou um farmacêutico era obrigatório fazer o curso e se submeter a uma prova para obter a licença para exercer a medicina ou a farmácia ( plantio e identificação, preparo e dispensação das formulações prescritas ).

Depois de 6 anos da criação do Instituto de Medicina Imperial, no ano 624 DC, 6 anos depois, cria-se o Grande Serviço Médico da China controlado pelo governo quando estabeleceu-se o atendimento em massa da população.

E assim a Medicina Chinesa foi exercida por um longo tempo e se estendeu para todo o oriente, e as experiências registradas foram se avolumando até que no ano 1518, o médico Lu Shi Zhou organizou, compilou e rezumiu todo o conhecimento da Medicina Chinesa a procedimenos terapêuticos reconhecidamente eficazes e seguros. Nos dias de hoje a Medicina Chinesa segue os moldes desta compilação.

A história da Medicina Chinesa contemporânea é uma outra história que poderei contar em outro artigo mas está ocorrendo uma nova adaptação desta Medicina para os tempos atuais, mas a Medicina Chinesa está outra vez se aprimorando.

Atualmente está surgindo um perfil diferente de médico da Medicina Chinesa que está incorporando no diagnóstico os recursos da Medicina Ocidental, mas continua tratando seguindo a padronização feita no século XVI. É um modelo que está se formando e deu condições para publicações científicas de estudos com Medicina Chinesa em revistas médicas ocidentais, a esta medicina deu-se o nome de Medicina Integrativa Chinesa a qual faço parte.

Para saber mais sobre a história da Medicina Chinesa acesse a U.S. National Library of Medicine